domingo, 6 de maio de 2012

elas

reler blog, é igual ver fita de vhs antiga, reler agenda de adolescente, cardeninhos de vida toda. hoje joão ubaldo me contou que quando a gente começa escrever o texto, acha que vai falar uma coisa, mas só descobre do que vai mesmo falar depois que já escreveu. então já sei que tudo que escrevo não é nada o que vai ser. bom. agora, relendo minhas vhs aqui em baixo, lembrei que não posso parar. as imagens se amutuam lá fora, no mundo das imagens e sons. mas as palavras, continuam presas, na garganta não, é mais em cima, presas aqui na testa, que dá dor de cabeça. elas precisam cachoeira. elas imprecisam. elas, as palavras. e quem sou eu pra falar outra coisa?

3 comentários:

Thiara Pagani disse...

Sensação de ver fita de vhs antiga, exatamente.
Cabeça arejada, é cabeça com palavras livres, nada de amontoar!

Luisa Coser disse...

escreve escreve....

Colageno de Dona–Turu disse...

Saudade das palavras da Senhorita !